quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Sagittarius


" Para você, Sagitário, eu peço a você para fazer rir os homens, pois por causa das incompreensões de minha idéia eles se tornam amargos. Ao provocar risos, você dará esperança ao homem e, com esperança, voltará seus olhos para Mim. Você tocará muitas vidas, mesmo que só por um momento e conhecerá a impaciência em cada vida que tocar. Para você Sagitário, eu dou o dom da abundância infinita, pois você deve espalhar generosidade suficiente para poder penetrar em cada canto de escuridão e torná-lo iluminado".

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Retrospectiva



Se eu pudesse resumir o meu ano de 2010 em poucas palavras, diria que ele foi um ano de muitas mudanças, tanto físicas como mentais. Em Janeiro estava tudo bem, nada de 'novo' havia acontecido. Fevereiro foi o primeiro baque: Mudei de escola. Para muitos isso não é nada mas para mim que estudei com as mesmas pessoas a 'vida toda', mudar de escola foi bem estranho. No começo foi difícil, tinha até me esquecido de como era se sentir 'a' nova, 'a' estranha. Lidei bem com isso com o passar dos dias e logo fiz amigos. Em Março a situação começou a ficar difícil no namoro e eu não me recordo bem mas acho que foi entre o final de Março e o comecinho de Abril que tudo acabou. Foi meu primeiro namoro sério e a 'ficada' mais duradoura também, portanto fiquei arrasada. Ouvir de uma hora pra outra que a pessoa que você mais amava no mundo te amava menos não foi tarefa fácil pra mim, que sou sensível. Abril foi aquele mês tenso, praticamente passou se arrastando. Não sabia pensar em outra coisa a não ser o fim do namoro e torcia para as horas passarem mais rápido. Costumava acreditar que o tempo cura tudo. Realmente cura e eu continuo acreditando nisso. Em Maio as coisas já estavam se estabilizando, o sorriso passou a aparecer mais vezes em meu rosto, e eu já estava consciente de que tudo havia acabado mesmo e não existia nada que eu pudesse fazer. Mas aquela saudade ainda vinha bater na minha porta, principalmente à noite. Hora me rendia, hora não. Foi também o mês em que eu passei à desacreditar nos meninos e no que eles falavam. Era uma espécie de medo de se machucar de novo; Pensava: Gostar pra quê se depois de algum tempo ele vai deixar de gostar de mim? Rs. Estava rebelde, confesso. Junho chegou trazendo aquela vontade de viver e o que eu mais queria era conhecer gente nova, me divertir, comemorar o lado bom de ser solteira e usar todo o meu charme para seduzir quem eu quisesse sem nenhum compromisso ou pudor! Em Julho tratei de me recompor. A minha preocupação foi cuidar de quem sempre esteve ao meu lado e me preocupar mais com quem estava comigo. Descobri que uma grande amiga estava leucemia e foi o que eu 'click' que eu precisava para acordar e ver que a vida é MUITO para deixar passar em branco, pensando no que podia ter sido ao invés de o que poderá ser. Tratei de descontar todo carinho que eu tinha guardado em mim nas pessoas em que eu gostava e acho que isso foi mudando a minha forma de ver as coisas. Agosto chegou cheirando a novo e foi um atropelamento de coisas estranhas. Como estava decidida a dar chance para os meninos, reencontrei um velho paquera e comecei a me encantar novamente, como nos velhos tempos. Só que, ao mesmo tempo, um grande amigo começou a me chamar atenção com seu jeitinho carinhoso e sorridente. Com medo de que fosse algum engano, ignorei o que eu sentia por esse amigo e continuei a história com o paquera. 'Se não foi da outra vez, agora vai né?' Rs, me enganei. Sempre acreditei naquele contato físico, um olhando pro outro, coração pulando pela boca. E quando o vi, reagi normalmente e o meu coração bateu como de costume. Voltei frustrada pra casa achando que nunca iria encontrar alguém que pudesse fazer meu coração pular novamente. Bobinha! Alguns dias depois deixei as coisas fluírem com esse amigo; se tivesse que ser, seria. E foi! Tomei coragem e contei sobre os pensamentos esquisitos que eu havia tendo e perguntei o que fazer. A solução foi simples: Vamos juntar os trapos e ver no que dá! Eu não sei no que deu, só sei que já fazem 4 meses que estou procurando com ele por essa resposta e sonhando em procurar por ela todo o tempo em que eu estiver viva. Em Setembro a insegurança chegou, ele tinha acabado de sair de um namoro, e como eu sabia o que era o período pós-namoro, temia que aquilo fosse só passageiro. Que nada! As minhas lamentações só serviram para ouvir mais ainda que eu estava sendo amada. A única coisa que me incomodou nesse mês foram os comentários alheios. Sobre o meu nxzete, sobre quem eu era, sobre o que eu queria. Tirei de letra, e deixei pra lá! Em Outubro o clima estava todo In Love, sair mais cedo da escola nunca tinha sido tão legal e as coisas estavam fluindo bem. Novembro foi quase a mesma coisa, a cabeça ocupada por mil planos e uma pessoa só dentro do coração. Já Dezembro chegou em um pulo, cheio de desejos e sonhos. Comecei a enxergar algumas coisas que não me agradam tanto mas se eu souber lidar, não terei problema algum. O estresse dentro de casa tornou-se constante e o desejo de morar sozinha cresceu a cada minuto. A independência também aumentou e a cabeça amadureceu. Não existe mais aquele antigo pensamento de 'fim do mundo' se alguma coisa acontecer, as coisas se tornaram mais naturais e a idéia das coisas acontecerem se tiver que acontecer tomou conta. Cresci.
Esse foi meu 2010!

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Happy girl!


Meninos, é tão fácil fazer uma garota feliz! Queremos apenas nos sentir amadas, queremos mimos e carinhos. Digam 'Meu amor, como você está linda!!' ao invés de dizerem 'Nossa, por que você demorou tanto?'. Mandem uma mensagem de boa noite ou uma no meio do dia dizendo que são sortudos por nos ter. Liguem do nada só pra ouvir nossa voz. Conte-nos quando se lembraram da gente durante seu dia, nós gostamos tanto de ouvir isso. Mexam no nosso cabelo sem que a gente perceba, façam isso com cuidado como se quisessem nos fazer sentir bonequinhas. Digam que nos ama, primeiro, alto, nítido, forte e olhando nos olhos. Assim, é praticamente impossível alguma garota não se apaixonar.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Ah, como eu queria!


Queria ter o poder de nunca te deixar partir. Nunca te deixar ir pra longe de meus braços, nunca te deixar ir embora. Queria ter você pra mim a todo tempo. Queria olhar pro lado e ver você ali, com aqueles olhos de céu e aquele sorriso brilhante. Queria tocar sua mão a cada minuto e sentir aqueles dedos se entrelaçando com os meus. Queria sentir a sua respiração tocar levemente o meu rosto quando eu quisesse. Queria sentir até os pêlos da sua barba, rs. Queria mexer nos seus cabelos e ver seu sorriso relaxado, como se aquilo te fizesse bem. Queria te olhar toda hora. Ver aquele olhar que foge do meu quando está com ciúmes, aquela cara séria quando está com fome ou sono, aquele riso solto quando está feliz, aquela mordidinha de canto de boca como quem diz 'falei besteira pra te ver brava!' quando acaba de dizer alguma coisa para me irritar mesmo. Queria ter você aqui agora pra deitar juntinho de mim debaixo do edredom, me abraçar e me fazer a mais feliz do mundo. Queria ouvir sua linda voz cantar pra mim, sempre. Queria te ver tocar e sentir quando aquele orgulho transbordar de mim. Ah! Queria tudo isso pra mim. Tudo. Toda hora. Todo minuto. Sempre que eu quisesse.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Mulheres


Juro que no dia que eu finalmente entender as mulheres, faço um livro contando como cheguei ao resultado, como lidar com as tais e outras informações que são essenciais pra se dar bem com as mesmas nos dias de hoje. É uma loucura ser mulher! Nós temos sentimentos mas somos racionais... Queremos ser livres mas somos carentes... Não queremos que peguem no nosso pé toda hora mas aquela ligação poderia se repetir mil vezes. Estranhas? Bobas? Vai saber! A única coisa que eu sei é que nós somos mesmo um bicho muito esquisito que tem a necessidade de coisas que nenhum homem entenderá, nunca. Pode ser o mais romântico do mundo, o mais gay do universo, o expert em mulheres... Nenhum saberá traduzir o que nós pensamos e sentimos. É algo que vai além da capacidade de qualquer ser humano tentar explicar. Sonhamos com aquilo que não existe, tentamos não ver o que está bem a nossa frente, acreditamos que podemos mudar tudo em um piscar de olhos... E se alguém pergunta? Não vi, não ouvi, e nem falei! Simples assim! Conseguimos seduzir a hora que queremos e também dar aqueles cortes que só nós sabemos! Podemos ser o que nós quisermos a hora que bem entendemos. Somos bipolares! Temos a super capacidade de odiar e amar a mesma pessoa em uma fração de segundo.
No fim das contas, essa indecisão, essa loucura e essa indefinição nos tornam ÚNICAS!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Vamos falar de AIDS?

O Dia Mundial Da Luta Contra a AIDS foi dia 1º de Dezembro mas nós não precisamos de um dia concreto pra falar disso, até porque a AIDS não escolhe dia, hora e nem lugar pra chegar.

Afinal, o que é AIDS?

Da sigla Acquired Immune Deficiency Syndrome (ou em português Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) a AIDS é provocada por uma infecção virótica que danifica o sistema imunológico humano, ou seja, ela acaba com todos os bichinhos de defesa do nosso corpo que agem contra as outras doenças. Com isso, todo o organismo fica mais frágil e exposto a outras infecções, como pneumonia, tuberculose, diarréia etc. O pior de tudo é que ela se divide e se espalha pelo corpo todo através da corrente sanguínea. Como nosso corpo é cheio de sangue, a doença aparece por todos os lados.

E então, como se pega?

Existem 4 modos de ser infectado.
- O primeiro é o mais popular, o que todo mundo conhece, é a famosa transa sem camisinha! Simples! Você não usa camisinha, a pessoa infectada te passa o vírus e pronto, você está com ele pelo resto da vida. Ah sim, e devemos lembrar que é sem volta! É como pular de um penhasco e não saber a que horas você irá chegar ao chão e até mesmo se sobreviverá até lá. A maioria das pessoas hoje se preocupam mais com a gravidez indesejada do que com o vírus. Os dois são sem volta. A diferença é que um deles... MATA!
- O segundo é a transfusão de sangue. Por isso que é importante fazer um teste antes de doar sangue. Também é legal saber de onde vem o sangue que você recebe, quando está no hospital. AIDS não é brincadeira!
- O terceiro é a aplicação de injeção com agulha contaminada. Portanto exija agulha descartável. E não faça exames em qualquer clínica ou qualquer laboratório. Também tem como pegar por agulhas de drogas injetáveis. Quer usar droga, vá lá! Só que o efeito da droga passa, o da AIDS não. Lembre-se que não é uma caixa de ossos que está em jogo, é você!
- E o quarto e último modo é a contaminação no feto, ou seja, a mulher grávida infectada passa o vírus para o feto, na maioria das vezes pelo leite materno, e o neném já nasce com AIDS. Acho bom que as pessoas entendam direitinho essa parte pois muita gente ainda tem aquele preconceito e acha que AIDS se pega porque quer e não é bem assim que acontece. Também não tem o vírus só os drogados, as prostitutas e os gays. Esse conceito já foi ultrapassado faz teeempo!

Ah, e uma coisa importante: AIDS NÃO SE PASSA POR ABRAÇO, NEM BEIJO, E MUITO MENOS APERTO DE MÃO! Acho um absurdo algumas pessoas pensarem o contrário disso, e na boa, é ignorância pura, e falta de informação. Por beijo até tem como passar, pois se uma pessoa infectada está com alguma ferida na boca e está sangrando, e a outra vai lá e beija, estando com um feridinha também, ah! Aí é só ter sorte. Mesmo assim, o preconceito é a coisa mais ridícula que já pôde existir! Acredito que preconceito é sinal de burrice.

Como se previne?

É clichê mas eu não vejo problema em repetir: Preste atenção nas agulhas e seringas nos hospitais de doação de sangue; Não toque no sangue de outra pessoa (o vírus fica incubado de 1 ano e meio até 10, portanto, por mais que você confie no seu amigo, ás vezes nem ele sabe que tem o vírus!); e o mais importante: use CAMISINHA! Quer transar, transe. Mas seja consciente e responsável. Preserve a vida cara, ela é tão boa!

Quero deixar bem claro que AIDS não é mais sinônimo de MORTE. Conheço pessoas que são infectadas e levam a vida numa boa, tomam seus remédios, e se previnem das outras doenças... Tudo normal! Ah, e antes que alguém me pergunte: Não, não tenho o vírus. Apenas li o livro Depois Daquela Viagem (que é SENSACIONAL, vale lembrar!) e senti que uma das missões que ele me deixou foi repassar mais sobre a doença e alertar pra galera se prevenir!
É um caminho sem volta e cabe a nós escolher se vamos entrar ou ficar. Cada um tem a sua decisão. Só quero lembrar de uma unica coisa: É como escolher entre o caminho da certeza e o da incerteza. E aí, o que você prefere?