quarta-feira, 31 de julho de 2013

Cuidado com o que deseja!



Eu sempre fui daquelas meninas que sonhavam com o príncipe encantado. Em meu textos antigos, tenho registros de desejos de conhecer o cara mais perfeito do mundo, e até mesmo a descrição de seu jeito, suas características, o modo como se vestiria, falaria, as tatuagens que teria; Cada detalhe contado minuciosamente com a precisão de que um dia eu conheceria esse tal homem perfeito,
E este dia chegou! Sou suspeita pra dizer, pois o amo como nunca amei alguém em toda a minha vida. Mas quando digo que ele é exatamente o que eu sempre procurei, não minto em nenhum ponto. O jeitinho de sorrir, os olhinhos de fechando quando isto acontece, a camiseta branca, a hiperatividade, a coragem, a vontade de se aventurar loucamente, as tatuagens sexys, o cabelo arrumado no estilo levemente desarrumado, o sapatênis... Ai ai! Veio sob encomenda, exatamente como planejei.
É por isso que digo: Cuidado com o que deseja, você pode realmente conseguir! Desejei tanto, mas tanto ter esse homenzinho na minha vida, que se encaixa até no jeito de deitar de conchinha sem doer nenhuma parte do corpo, que até o suspiro de alívio sai quando penso nele.
Suspiro de "Ufa!", suspiro de amor, suspiro de saber que terei com quem envelhecer e partilhar cada felicidade junto. De pensar em planos, e realizá-los, uns até mais rápido do que eu pensava. De conquistar cada coisinha sonhada em conjunto, dando créditos aos dois pelo esforço e vontade.
Enfim, sei que o futuro planeja algo muito lindo pra gente, e como sei que desejos se tornam verdade sim, eu peço: Foi tão difícil encontrar esse príncipe que, agora que encontrei, quero passar a minha vida toda ao lado dele. 


Ps. Eu te amo, Felipe Abreu! 

terça-feira, 30 de julho de 2013

Crianças: Mentes Férteis

Cá estava eu no ônibus, horário de pico (por volta de 18 hrs), o silêncio traduzia o cansaço de todos que trabalharam o dia todo e estavam ali, finalmente indo para a casa. Mas uma coisa interrompia toda esta filosofia: Uma menininha que devia ter lá seus 4, 5 anos indagava sobre a vida, nomes de coisas e seres, por quê? Por quê? Mas, por quê? Eu, jornalista que sou, peguei meu bloquinho e prestei atenção. Pelo visto, as pérolas seriam boas!! 

Primeiro ela começou a ler cada coisa que via. Cin-to-de-se-gu-ran-ça. Tra-vas. Av-A-qui-da-ban. 
- Mãe, sabe por quê aqui se chama Aquidaban? Porque é aqui e aqui é da Ban! Hihihi!
Me diverti com o comentário em pleno fim do dia. Logo, ela começou a reparar nos carros dando seta e não conseguia entender o motivo daquilo. Disse a sua mãe:
- Mas essa seta vai pro céu, só que no céu não tem ruas. Hm, não entendo!
Havia outro assunto interessante dentro de sua pequena cabecinha: Como os lagartos conseguem subir na parede sem cair? Simples! Eles produzem uma 'melequinha melequenta' que gruda as perninhas na parede e fazem eles rastejarem por toda parte. Boa! 
Bom, mas se a gente fosse falar sobre aves, ela gostaria de entender como os pássaros fazem 'assim' com o braço e voam, e nós humanos, se fizermos o mesmo, não voamos... Por quê, mãe? Aves a fizeram lembrar de telefone, que deu-se o seguinte raciocínio: Eu odeio telefone porque ele é bonito, mas não cresce. E pra onde vai nosso dinheiro? Tudo o que a gente compra precisa crescer!
Numa hora dessas, até a minha cabeça já estava a mil, imaginando como tudo aquilo cabia dentro de uma mente tão pequenina como aquela. Mas não parou por aí. Ela completou dizendo que todos nós devíamos saber multiplicar. Eu pensei 'bom, eu sei fazer isso!'. E ela disse: "- Porque se todo mundo soubesse multiplicar, poderíamos multiplicar chocolate!". Eu ri.
Antes de descer, o chocolate a lembrou de tubarão e logo veio a pergunta seguida da resposta:
- Aaaaah, agora eu sei porque tubarão não dorme. Ele pode se afogar!!
Pois é, em 20 minutos dentro de um ônibus, a gente escuta tanta produtividade e descobertas de uma mente infantil que dá até pra fazer um post no blog! Quem diria?

Ps. Deixo aqui o meu incentivo por um mundo com mais criatividades como de crianças! E pais, por favor, alimentem esta fase!

Eu e o banco, o banco e eu

Não, não... Não estou falando de banco de sentar e passar um lindo dia ali. Aliás, podemos até incluir a parte de ficar sentada e passar um dia todo, mas de lindo não há nada. É um descaso enorme passar DUAS HORAS e MEIA aguardando sua senha ser chamada no banco apenas para cancelar uma conta, ainda mais quando ela foi criada por sua antiga empresa de trabalho, ou seja, você nem pediu por aquilo. 
Para criar contas, é ótimo. A moça vai até os clientes e pergunta com um sorriso enorme estampado no rosto se você deseja entrar para a burocracia da sociedade. Mas para cancelar, você fala ali naquelas mesinhas, onde tem (se é muito) dois atendentes que, além de cancelarem contas, ainda fazem financiamentos, empréstimos, e o caralho a quatro.
E você fica ali. São 12h30 ainda. Olha para o teto, pensa em cada coisa que precisa fazer saindo dali. Pensa de novo, desta vez, calculando cada rua em que terá de andar. Calcula teorias de possíveis horários que conseguirá sair dali, e como isso vai afetar em seu trabalho. Pensa na volta as aulas da faculdade, coisas que precisa fazer em casa. Manda mensagem pro namorado! E pra mãe, e pro pai, e pro chefe avisando sobre o lento atendimento e o "pequeno atraso" que possivelmente acontecerá. Tira tudo o que tem na bolsa, arruma todos os cartões, coloca todas as moedinhas jogadas no porta-moedas. Resolve olhar no relógio, afinal já se passou uma eternidade. PUF! 12h40. 
Ainda se houvesse uma maneira de guardar o dinheiro em casa, dentro de colchões como era feito nos tempos passados... Mas não. Somos obrigados a fazer parte de um círculo onde o único interesse é te afundar, com mãos sujas claro, oferendo ajuda e te apunhalando no peito, no mesmo momento.
Três vidas depois, sua senha é chamada. Inclusive, pelo mesmo moço que a entregou. Ele, com muito interesse em socar-lhe planos ilimitados e coisas que o banco vai 'te dar' (caridades são suas especiarias), perde tempo perguntando: "Mas por qual motivo a senhora deseja cancelar sua conta?"

FRANCAMENTE, MEU AMIGO!

terça-feira, 9 de julho de 2013

O amor e stuffs

.@dafnefernandes_ | Today I don't feel like doing anything. I just wanna lay in my bed.. | Webstagram - the best Instagram viewer

Se tem uma coisa que eu entendo é sobre relacionamentos. Sim, apesar de zilhões de amores platônicos, trágicos pés na bunda, e coração remendado, relacionamentos são o meu forte. Tanto que está aí o meu amor, que não me deixa mentir. A questão é que a galera hoje em dia, além de não se preocupar nem um pouco em cultivar o que tem, ainda põe pilha nas relações alheias e criticam nas redes sociais 'que é ridículo demonstração de afeto' e blá blá blá. 
Duvido que alguém, quando ama de verdade, não sente vontade de sair dançando pelo mundo gritando o nome de seu querido, colocar fotos para depois relembrar os momentos que passaram juntos, ou até mesmo mandar um bom dia fofo, fazer aquela surpresinha inesperada! Du-vi-do!
O que falta, na realidade, é comprometimento. É gente dando cara a tapa para dizer que quer namorar sim ou gente que começa a se 'comportar melhor' para achar alguém bacana. Não é vergonha nenhuma dar um 'stop' nas bebidas e nos vexames da balada para alcançar essa meta. Até porquê, venhamos e convenhamos, se as menininhas não querem arrumar um cara bêbado e que não quer nada da vida, parem de se comportar como tal. Imponham limites. Dêem-se o respeito. Só assim colherão aquilo que querem.