quarta-feira, 30 de julho de 2014

Sim!



"Sim". "Sim, sim, sim!!" 
Difícil essa pronuncia para algumas pessoas, não é mesmo?! E é tão simples, tem apenas três letrinhas. Não para o pessimista de plantão. Para ele, a palavra sim é gigantesca, raramente deve ser dita e muito menos, aceita. É que, além de ser uma simples palavrinha, o "sim" também acaba virando um estilo de vida. Uma tradição com quem vive de bem com a vida, praticamente um vício. 
Já assistiu aquele filme "Sim, senhor"? A partir do momento em que você insere o "sim" no vocabulário, a vida respira melhor para você. E eu não tô contando caôs aqui não, ou tentando te convencer de que a vida é bela. A vida sempre foi bela para as pessoas que aprenderam a conviver com as diferenças, não tem dificuldade/medo em aceitar coisas novas e leva os dias com bom humor. 
Quando você deixa aquele friozinho na barriga do "Será que vai dar certo?" e troca pelo "Vai dar certo, sim!" as coisas fluem melhor. As oportunidades que você sempre sonhou começam a surgir e ao invés de deixá-las de lado por medo de não dar conta, pode aceitar! Vai por mim, você vai conseguir! Nós somos capazes daquilo que acreditamos ser. A única barreira invencível é a que criamos dentro de nós mesmos. Uma língua diferente? Existe dicionário. Um job sobre algo que você nunca ouviu falar? Temos o Google. A oportunidade parece tão perfeita que não dá pra acreditar? Acredite, ela é perfeita sim, basta você aceitar e dar seu melhor.
Então leve a vida de um jeito Activia: Se em sete dias utilizando o método "sim", nada der certo para você... Eu devolvo o seu "não". Tente! Experimente! Tudo vai fluir melhor!

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Recomendo: X-PEEL da ADA TINA

Na última semana, recebi da ADA TINA mais uma novidade do mercado de cosméticos: O X-Peel, um peeling biológico. Sempre tive a curiosidade de fazer peelings, até porque sofro com a oleosidade da pele e gostaria de ter isso sob controle. Porém sempre tive medo de fazer também, aquelas paranóias de achar que vai arder ou gelar o rosto (detesto produtos que gelam, desde cremes até gloss!). 
Uma vez, eu usei um peeling do Boticário se não me engano e achei terrível, pois ele descascava depois de um tempo e grudava na minha franja in-tei-ri-nha. Traumatizei e deixei de lado!


Já o X-Peel da ADA TINA me surpreendeu bastante em questões que parecem bobas, mas fazem toda a diferença. Ele não tem cheiro, não gela o rosto, não arde, não deixa o rosto estático como plástico e não descama! Aliás, ele nem parece um peeling, passo como um creme comum antes de dormir e até esqueço que estou com ele! Super tranquilo!


Os efeitos que ele gera vão desde a área dos olhos, renovação de pele, clareamento, envelhecimento, até a aparência geral mesmo. E dentre os efeitos, os mais interessantes para a minha pele (e idade) é que ele ameniza as marcas de expressão (adeus, bigode chinês!), iluminação e clareamento da pele, redução da flacidez, hidratação e o melhor: Tratamento das peles oleosas! 


Estou testando há 7 dias e tenho a recomendação de que devo testar durante 14 dias para notar resultados, mas já percebi alguns. Por exemplo, antes eu acordava com o rosto bem carregado de oleosidade, principalmente na zona T (testa, nariz e queixo) mas agora está tudo sob controle, sem precisar deixá-lo ressecado. Também notei o clareamento nas minhas olheiras (que tem a tonalidade marrom claro, mais ou menos) e por isso, aderi à nova moda de desfilar sem make por aí estilo Scarlet Johansson!

Pra quem busca um produto de confiança, dermatologicamente testado, vale a pena consultar um especialista e aderir ao X-Peel. Ah, e o melhor: Não é testado em animais! Tá liberado, para alegria geral da mulherada e dos bichinhos! 

Para completar o mimo, ainda ganhei uma necessaire super fofa!! Obrigada ADA TINA!! 


Para mais informações, acesse:

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Vivência na RAC: Último dia!

Find your inspiration que, em português, significa "encontre sua inspiração", tudo a ver com o texto de hoje!

Nossa, faz tempo que não venho contar sobre minhas experiências na Vivência da RAC! A gente fica tão distraída fazendo uma coisinha aqui, outra ali e quando vai ver, já se passaram dias! 

Bom, por motivos de força maior, tive que parar com a Vivência. Fiz um curso de dois dias sobre Marketing Digital com o professor Marcelo Piraña que, por sinal, foi ótimo e durou dois dias. Precisei faltar na Vivência, afinal o curso era gratuito e agrega no meu currículo. Depois surgiu um freelancer pra fazer, documentos para resolver e tive que encerrar dois dias antes do prazo. 

Não tenho muitas novidades para contar sobre meu último dia, até porque já contei tudo o que eu observei durante os dois dias lá e a rotina de um jornal impresso não foge muito disso. É correria, hard news a todo momento e manter-se atualizado sempre! No meu último dia, por exemplo, procurei algum assunto na pauta para escrever e não incomodar muito meus colegas de lado, pois todos estavam muito ocupados com seus textos semi-prontos.

Agora, pretendo fazer vivência em algum canal de televisão e ter a experiência de um jornal ao vivo, por exemplo. Já enviei email para a TVB Record mas até agora não obtive nenhuma resposta... Mas é assim mesmo, água mole em pedra dura, tanto bate até que fura! Rs! 

Já o jornal impresso... Bem, não sei se quero seguir. Talvez se surgir alguma oportunidade e dependendo do meu momento, eu me jogue de cabeça. Mas hoje, tendo a rotina dinâmica da rádio e se encaixando exatamente no meu perfil, que é jovem e escravo de mídias sociais, e ainda com esse meu lado designer/publicitária, não trocaria tão fácil!

Aos meus amigos jornalistas, espero que tenham gostado desse pouquinho de experiência que eu passei através do blog. No fundo, no fundo, a gente já imagina como é o jornal e sua rotina, né?! 

Até a próxima!

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Vivência na RAC: Segundo dia!




Posso dizer uma coisa? Tô a-man-do o retorno que estou tendo no blog sobre a Vivência na RAC. É bom ter um feedback de pessoas bacanas e competentes naquilo que fazem! 

Hoje o dia foi "livre" no Correio Popular. Ninguém saía, nenhuma pauta polêmica para eu apurar de perto acontecia... Comecei a ficar inquieta na cadeira. Lia o jornal, tentava prestar atenção na conversa dos colegas, voltava pro jornal, olhava ao redor... Nada! Até que tive a brilhante ideia: Bom, sou uma jornalista, vou fazer uma matéria! Sozinha, sem pauta, sem ninguém mandar! Vamos lá, vai ficar bacana! Um tema... Já sei, "Volta às Aulas Sem o Hexa"! E quem eu posso entrevistar... Meu irmão! Ah é, e mais essa mocinha do meu Facebook que estuda na minha antiga escola! Tá aí, vou criar. E criei! Entrevistei os dois, pesquisei escolas, liguei do telefone de lá para pegar algumas informações e corajosa, enviei pro meu "chefe" da Vivência. Ficou assim:

Volta às Aulas promete mais que o jogo do Brasil!

Depois das férias prolongadas que começaram no meio do mês de junho, os estudantes terão a dura missão de voltar às aulas. É caderno pra cá, livros pra lá... Está na hora de ajustar o despertador, voltar à rotina de provas e aos pendurados de plantão, recuperar as notas antes que o ano acabe. Além disso, muitos estudantes entraram de férias convictos de que voltariam com a notícia do hexa, mas depois da goleada que o Brasil levou da Alemanha no Mundial, muitos voltarão com as esperanças fragilizadas e o coração
partido.
O estudante Carlos Alessandro do Nascimento Junior, de 14 anos, está no primeiro ano do Ensino Médio e conta que, por causa dos jogos da Copa do Mundo, ele teve dificuldades de absorver o conteúdo das matérias já que a maioria das coisas foram feitas com pressa. O garoto conta que será indiferente voltar para as aulas sem o hexa, mas confessa que será difícil aturar a reação dos colegas fanáticos por futebol. Além disso, sua maior dificuldade será manter os olhos abertos durante as aulas depois de passar as férias inteira acordando tarde.
Por outro lado, a estudante Anna Beatriz Calado, de 16 anos, que está cursando o segundo ano do Ensino Médio estava na torcida pela Seleção Brasileira, mas se conformou com o placar. "Nem todo mundo ganha, né?", afirmou Anna. A estudante prefere acreditar que, apesar da derrota do time brasileiro, valeu
a pena reunir os amigos e ver todos se divertindo.
A maioria das escolas públicas retorna das férias na próxima segunda-feira, enquanto os alunos das escolas particulares terão um pouco mais de tempo para se adaptar com a nova rotina, retornando apenas no final de julho.


Pedi pra ele dar uma olhada e, surpreendentemente, ele me disse que o texto estava ótimo e que, se fosse para ele, certamente seria publicado. Quase pulei de alegria! Hahaha! Anotem as correções que eu fiz para entrar no padrão de jornal e servir como dica:
  • Meses são escritos com letra minúscula;
  • Ensino Médio sempre com letra maiúscula;
  • A idade não é como nas revistas (ex: Mayara Nascimento [20]).

Logo depois, conheci o Leandro, um dos fotógrafos do Correio Popular. Fomos até um estabelecimento fotografar para o jornal e eu aproveitei para fazer várias perguntas. Ele me contou que não fez faculdade de Jornalismo nem curso de Fotografia, tudo o que ele aprendeu foi lendo, na raça mesmo. O emprego no Correio também saiu da sua força de vontade que, depois de fazer fotos de casamento, publicidade e afins, percebeu que fotojornalismo estava na veia e foi bater na porta do jornal. Por sorte, havia um fotógrafo de férias, ele entrou para cobrir o cara e está lá até hoje. 
Leandro me deu muitas dicas sobre o jornalismo, principalmente no seu modo como é hoje. Para ele, temos que revolucionar um pouco o modo como o jornalismo é feito, muitas vezes autoritário e imposto. "Tudo isso aqui pode acabar um dia, porque a leitura do jornal impresso está cada vez mais escassa. Você precisa investir no jornalismo independente, onde você é o seu próprio pauteiro, repórter e editor. Só assim consegue vender uma notícia realmente interessante, sem sofrer cortes ou censura de algum veículo", contou o fotógrafo. E eu adorei né?! Afinal, faço parte do time de estudantes de Jornalismo que querem mudar o mundo (sim!!) com a força das palavras e fazer delas, a democracia. É como diz aquela frase "A censura nunca desiste, ela sempre volta disfarçada". E não é verdade?! Mas isso é pano pra outra manga!


quinta-feira, 10 de julho de 2014

Os fracos também amam...



(...) E os fortes também erram." 

É com essa frase que eu deixo o consolo aos torcedores que sofreram juntos no jogo de ontem. Não vim aqui reclamar da escalação do Felipão, até porque com a experiência que ele tem, quem sou eu para contestar? Nem dizer que foi tudo culpa da Dilma, desviar os problemas para o Neymar Jr ou culpar o emocional dos jogadores, afinal discordo de alguns destes itens. 

A questão é que todo mundo perde um dia. Todo mundo tem seu momento de desequilíbrio, de descontrole, de ficar tão preocupado com algo e descuidar da fé por um minuto. Não vou ser hipócrita e dizer que nossa seleção jogou bem, porque faltou raça na hora de sacudir a poeira e dar a volta por cima. Mas também não os julgo como se fossem os piores do mundo. Não são! Se fossem, não estariam lá. Não treinariam dias e meses, não conquistariam a confiança do técnico da seleção brasileira para representar o país, não sairiam do time do bairro para crescer no futebol. Se estão lá, é porque são bons! 

Agora vem dizer que perder o Neymar e o Thiago Silva em campo não abalou a estrutura do time? Claro que abalou. Time é como uma família, se acontece alguma coisa, é inevitável você não se preocupar e pensar no "E agora? Será que vai rolar sem eles?". Somos brasileiros, povo sensível e unido! Acontece, meus caros! 

Espero que os jogadores recebam o apoio da família e absorvam apenas os comentários que agregam na sua recuperação. Ninguém queria goleada, muito menos eles e eu imagino que deva ser difícil focalizar nos próximos jogos e no bom desempenho. Que os corneteiros de plantão focalizem suas energias em um novo acontecimento, afinal quem é patriota de verdade apoia o time na vitória ou na derrota. 

É isso. 


quarta-feira, 9 de julho de 2014

Vivência na RAC: Primeiro dia!




Chegou o grande dia, o dia de alegria! Confesso que estava meio nervosa para começar a tal da Vivência no grupo RAC, é sempre difícil se enturmar em um lugar que você não conhece e também não sabe se é bem-vinda. Mas quem se importa? Botei uma roupa bacana, dei um tapa no make e fui, destemida.

Sabe aquelas redações de jornal impresso que nós vimos nos filmes, com vários computadores, mesas cinzas, pessoas falando ao telefone e conversando, e escrevendo, e tomando café e se afundando naquela rotina maluca de jornalista? Sim, é exatamente assim! Até fiquei surpresa, não imaginava que a vida real seria tão parecida com o que vemos na ficção!

Logo que cheguei, tive uma conversa com o jornalista que autorizou minha vivência por email, o Guilherme. Ele, bem direto e objetivo, perguntou se eu lia jornal impresso diariamente e eu fui sincera, respondi que "ás vezes sim" mas me rendia ao jornalismo online. Ele explicou que é muito importante para um jornalista ler diariamente jornal impresso, porque você desenvolve a crítica e pode contar se gostou ou não do texto no final. Também lembrou sobre o domínio da língua portuguesa e como isso define um bom jornalista. É bem aquilo que os nossos professores sempre dizem e estamos cansados de saber! Ganhei uma mesa com computador para me virar nestes próximos dias e ele me deixou livre, para me enturmar com os outros jornalistas, escrever matérias, acompanhar entrevistas, enfim: Se vira nos 30, Mayara!

Me aconcheguei na cadeira e comecei a leitura do jornal do dia. Foi então que conheci a repórter Sheila, minha colega do lado nestes primeiros dias que, com orgulho, me apresentou seus textos e suas seções. Ela fica na parte dos Classificados, Imóveis e Veículos, cheia de histórias divertidas para contar sobre suas entrevistas. Também me contou como funciona sua rotina: Ela chega, abre a pauta do dia (que é feita pelo Guilherme, o jornalista que conversei anteriormente), absorve as informações e começa a escrever. Enquanto conversava comigo, ela tentava entrevistar um senhor pelo telefone, muito simpática e receptiva. Gostei! Curiosa que sou, perguntei como ela decidiu ser jornalista e ela me confessou: "Minha mãe sempre me chamou xereta! Eu vivia fazendo perguntas!". Com faculdade de Jornalismo e magistério para dar aulas, ela trocou seu concurso público e salário fixo garantido para ser freelancer no Correio Popular. Ficou 5 anos sem registro, até ser efetivada e hoje já contabiliza 14 anos como jornalista. "- A vida é feita de escolhas. Eu fiz a minha e não me arrependo!".

Com uns 30 minutos lá dentro, na minha adaptação, a repórter Luciana me chamou para acompanhá-la. E eu fui, sem saber pra onde nem por quê. No caminho, perguntei para onde iríamos e ela respondeu que seria na Cidade Judiciária, no julgamento do Andinho. Andinho?? Um dos caras mais perigosos do país? Sim, meus amigos. Fui no julgamento dele. Na verdade, só assisti o depoimento da esposa de um dos parceiros dele, porque o dele já tinha acontecido; Mesmo assim, fiquei abismada com a audiência. Nunca imaginei que juízes eram tão secos e advogados tão puxa sacos! rsrs! Enfim, a jornalista que estava comigo também estava meio por fora do caso, mas conversou com alguns amigos jornalistas que lá estavam, e fez amizade com um advogado também. Não pode ter vergonha pra ser repórter!

Depois da audiência, conversei com ela que me contou que conseguiu estágio apenas no último ano da faculdade no Portal da RAC e está lá há 9 anos. Ela é responsável pelos assuntos de segurança na cidade, transporte público e muitas vezes precisa escalar montanhas ou andar no barro para conseguir uma matéria. Ela também me aconselhou a ter sempre em mãos uma sapatilha, caso enfrente este tipo de coisa ou precise correr para fazer uma entrevista. Eu questionei: "Mas e se formos a um lugar mais fino?" e ela me tranquilizou, dizendo que a redação sempre avisa antes para a gente se preparar. Ufa! 

Esperamos o carro de reportagem para voltar ao jornal e eu cheguei em casa, exausta depois de uma longa audiência mas feliz com a experiência daquele dia! Gostaram? Logo logo tem mais!! 


Obs. Se alguém tiver alguma pergunta e quiser que eu tire a dúvida, me envie nos comentários que eu pergunto!


sexta-feira, 4 de julho de 2014

Experiência: Vivência na RAC



Como todo mundo sabe, eu sou estudante e aspirante de jornalismo. Sempre que posso, participo de palestras sobre o assunto, busco conhecimento, escrevo no blog como forma de portfólio e tento incrementar ao máximo o que eu sei com características que o mercado procura. 
Desta vez, a experiência é totalmente nova e estou com muitas expectativas a respeito!! Vou participar da chamada "Vivência", uma espécie de laboratório para os que pretendem ingressar na área e será no Correio Popular. Diariamente e no período de 10 dias (7 a 18 de Julho) frequentarei a redação do jornal para entender melhor como funciona o jornalismo diário e prático, como são montadas as pautas, a correria durante as entrevistas, enfim, tudo o que eu puder aprender de novo e agregar ao meu conhecimento, eu farei! 

Prometo contar tudo o que eu aprender aqui no blog!
Fiquem ligados!! 

"Quem sabe faz a hora, não espera acontecer!" (Geraldo Vandré)

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Turistando em Serra Negra: Gelato Donato

Sou uma pessoa bem difícil de conquistar, principalmente pela barriga! Tenho uma boa alimentação e não sou tão enjoada para comida, porém raramente me apaixono por algum lugar novo. Sabe aquelas pessoas tradicionais, que comem sempre o Mc Chicken Jr do Mc Donalds ou só pipoca de manteiga? Prazer, sou eu! 


Eis que Serra Negra me trouxe uma deliciosa surpresa: A sorveteria Gelato Donato! É um sorvete artesanal, feito com leite fresco de fazendas da própria cidade mesmo. O sabor é sensacional!! Ele tem um aspecto leve e você come sem perceber. Além disso, a variedade de sabores é ampla e exótica, com sabores especiais como arroz doce ou torta de banana. Hmm, uma delícia! 




E não é só a qualidade dos produtos que me chamou a atenção, não! O lugar tem um design todo meigo, estilo anos 50, com direito a luzinhas à noite, logo de vaquinha, música típica da época, tudo trabalhado no azul bebê com amarelo! Uma graça!! A simpatia das vendedoras também me conquistaram, oferecendo quase todos os sabores para experimentar! Fica a dica pra quem quer passear pela cidade se refrescando com um saboroso sorvetinho! Eu indico o de Cookies ou o da casa, Gelato Donato como meus preferidos (até agora! rs!). 






Para mais informações: 
O quê? Sorveteria Gelato Donato
Onde? Na praça João Zelante (principal), em Serra Negra-SP
Quanto? A partir de 7,00

terça-feira, 1 de julho de 2014

Re-começar!



Recomeçar. Re-Começar. Começar.

Sempre é tempo do novo. De um novo trabalho, um novo amor e até um novo corte de cabelo! Não importa de onde você parou nem porquê isso aconteceu. Deixe o passado de lado, recomece!
É assim que o crescimento aparece. A partir do momento que você preserva apenas as raízes que importam, o que vier é lucro. E, vamos falar a verdade, quem realmente quer conquistar alguma coisa, vai atrás e consegue! A sorte não tem nome completo, endereço e muito menos bate a nossa porta. Sorte mesmo é a gente que faz!


  • Esqueça as dores do coração; Nem todos os homens do mundo irão te machucar como fez o último.
  • Esqueça os desaforos do último trabalho; Se você faz com amor, há de ter reconhecimento em algum momento.
  • Esqueça as amarguras da vida; Você tem saúde, ar nos pulmões e vontade de viver, só isso realmente importa! 


E se as coisas ainda continuam sem sentido pra você, lembre-se que o sentido é um só: 
Pra frente!