quarta-feira, 9 de julho de 2014

Vivência na RAC: Primeiro dia!




Chegou o grande dia, o dia de alegria! Confesso que estava meio nervosa para começar a tal da Vivência no grupo RAC, é sempre difícil se enturmar em um lugar que você não conhece e também não sabe se é bem-vinda. Mas quem se importa? Botei uma roupa bacana, dei um tapa no make e fui, destemida.

Sabe aquelas redações de jornal impresso que nós vimos nos filmes, com vários computadores, mesas cinzas, pessoas falando ao telefone e conversando, e escrevendo, e tomando café e se afundando naquela rotina maluca de jornalista? Sim, é exatamente assim! Até fiquei surpresa, não imaginava que a vida real seria tão parecida com o que vemos na ficção!

Logo que cheguei, tive uma conversa com o jornalista que autorizou minha vivência por email, o Guilherme. Ele, bem direto e objetivo, perguntou se eu lia jornal impresso diariamente e eu fui sincera, respondi que "ás vezes sim" mas me rendia ao jornalismo online. Ele explicou que é muito importante para um jornalista ler diariamente jornal impresso, porque você desenvolve a crítica e pode contar se gostou ou não do texto no final. Também lembrou sobre o domínio da língua portuguesa e como isso define um bom jornalista. É bem aquilo que os nossos professores sempre dizem e estamos cansados de saber! Ganhei uma mesa com computador para me virar nestes próximos dias e ele me deixou livre, para me enturmar com os outros jornalistas, escrever matérias, acompanhar entrevistas, enfim: Se vira nos 30, Mayara!

Me aconcheguei na cadeira e comecei a leitura do jornal do dia. Foi então que conheci a repórter Sheila, minha colega do lado nestes primeiros dias que, com orgulho, me apresentou seus textos e suas seções. Ela fica na parte dos Classificados, Imóveis e Veículos, cheia de histórias divertidas para contar sobre suas entrevistas. Também me contou como funciona sua rotina: Ela chega, abre a pauta do dia (que é feita pelo Guilherme, o jornalista que conversei anteriormente), absorve as informações e começa a escrever. Enquanto conversava comigo, ela tentava entrevistar um senhor pelo telefone, muito simpática e receptiva. Gostei! Curiosa que sou, perguntei como ela decidiu ser jornalista e ela me confessou: "Minha mãe sempre me chamou xereta! Eu vivia fazendo perguntas!". Com faculdade de Jornalismo e magistério para dar aulas, ela trocou seu concurso público e salário fixo garantido para ser freelancer no Correio Popular. Ficou 5 anos sem registro, até ser efetivada e hoje já contabiliza 14 anos como jornalista. "- A vida é feita de escolhas. Eu fiz a minha e não me arrependo!".

Com uns 30 minutos lá dentro, na minha adaptação, a repórter Luciana me chamou para acompanhá-la. E eu fui, sem saber pra onde nem por quê. No caminho, perguntei para onde iríamos e ela respondeu que seria na Cidade Judiciária, no julgamento do Andinho. Andinho?? Um dos caras mais perigosos do país? Sim, meus amigos. Fui no julgamento dele. Na verdade, só assisti o depoimento da esposa de um dos parceiros dele, porque o dele já tinha acontecido; Mesmo assim, fiquei abismada com a audiência. Nunca imaginei que juízes eram tão secos e advogados tão puxa sacos! rsrs! Enfim, a jornalista que estava comigo também estava meio por fora do caso, mas conversou com alguns amigos jornalistas que lá estavam, e fez amizade com um advogado também. Não pode ter vergonha pra ser repórter!

Depois da audiência, conversei com ela que me contou que conseguiu estágio apenas no último ano da faculdade no Portal da RAC e está lá há 9 anos. Ela é responsável pelos assuntos de segurança na cidade, transporte público e muitas vezes precisa escalar montanhas ou andar no barro para conseguir uma matéria. Ela também me aconselhou a ter sempre em mãos uma sapatilha, caso enfrente este tipo de coisa ou precise correr para fazer uma entrevista. Eu questionei: "Mas e se formos a um lugar mais fino?" e ela me tranquilizou, dizendo que a redação sempre avisa antes para a gente se preparar. Ufa! 

Esperamos o carro de reportagem para voltar ao jornal e eu cheguei em casa, exausta depois de uma longa audiência mas feliz com a experiência daquele dia! Gostaram? Logo logo tem mais!! 


Obs. Se alguém tiver alguma pergunta e quiser que eu tire a dúvida, me envie nos comentários que eu pergunto!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Deixe um comentário!