terça-feira, 23 de junho de 2015

Plano A: Prevenção

Maternity+Photo+5.jpg (533×800)

Esses dias me peguei lendo artigos sobre a legalização do aborto no Brasil. Li, repeti a leitura, tentei compreender o ponto de vista das mulheres que abortam. E mesmo assim, continuei com a minha opinião a respeito: Sou contra. Sei que, como jornalista, não deveria expôr minha opinião, mas aqui eu trago somente artigos de opinião e este é o meu posicionamento.
Penso nas milhares de mulheres que morrem na maca arriscando suas vidas em abortos ilegais, mas também assisto a documentários na qual a legalização já foi feita e as meninas tratam tudo isso como se fosse normal. Existem métodos anticoncepcionais, como pílula, camisinha, e além disso, postos de saúde oferecem gratuitamente. Para as esquecidas de plantão, temos a injeção que também é um método eficaz. O que não temos é o controle da consciência de cada uma, principalmente a nova geração que, no auge dos seus 13 anos, usa pílula do dia seguinte como prevenção. 
Posso dizer por mim, perdi minha virgindade há alguns anos e cá estou, sem bebê, sem DST's, levando uma vida normal para uma garota da minha idade. Prevenção é você se cuidar antes de acontecer, e não depois. Sei que virão muitas feministas de plantão dizendo que o corpo "é meu, e eu faço o que eu quiser", portanto comece do zero, cuidando dele antes de tudo.
Além disso, temos o livre arbítrio para dizer "não", então se algum cara forçar uma situação inesperada, basta ser firme nas palavras e evitar. Quem ama, cuida. Homens legais são compreensíveis, e mesmo com raiva no momento, vai te agradecer eternamente por sua atitude, mesmo que inconsciente. 
O aborto é extremamente agressivo no corpo de uma mulher, que pode provocar esterilidade, lesões, infecções e hemorragias sérias. Isso sem contar o psicológico que fica totalmente abalado, como depressões, frigidez, entre outros.
Não estou aqui pra tentar convencer ninguém a nada, mas acredito que se há métodos preventivos, demos valorizar e deixá-los em primeiro lugar. O aborto deve ser utilizado apenas em casos específicos, como estupro ou risco para a gestante, e ambos já são legalizados. E lembre-se sempre: Quem ama a si mesma, se cuida. Se previne. Visita a ginecologista regularmente. E assume as consequências quando corre riscos.

2 comentários:

  1. Mayara, achei muito legal você trazer um texto sobre o tema e assim como você não defendo que a prevenção é o passo mais importante na hora de ter uma vida sexual ativa. Não há como discordar.

    Mas como feminista eu tenho que defender o meu ponto, pois quem defende o aborto não quer deixar as prevenções de lado. Como você mesma colocou, não existe ninguém que fique feliz com um aborto, justamente por ser traumático tanto para o corpo como para a saúde psicológica da mulher. Mas não existe nenhum método contraceptivo que garanta que não vá engravidar. Todos tem uma parcela de erro e muitas mulheres engravidam, mesmo se cuidando e fazendo tudo direitinho. Há muitas que vão aceitar a gravidez e ser muito feliz assim , mas muitas outras não querem ter um filho de forma alguma e filho é uma coisa séria. Também não cabe a nós julgar os motivos que levam alguém a fazer o aborto, pois muitas vezes é o último recurso de alguém.
    É sempre bom levar em consideração que os abortos não deixam de acontecer porque ele é ilegal. Pelo contrário, acontece em mesma quantidade, só que com mais mortes. A legalização vai trazer mais informação, mais apoio psicológico e amparo médico.
    Não é porque somos contra algo que temos de impedir que pessoas que são a favor possam fazer, não é mesmo?

    Espero ter conseguido defender meu ponto de vista :)

    ResponderExcluir
  2. A favor da vida sempre. Em qualquer situação.

    ResponderExcluir

Gostou? Deixe um comentário!